“O universal é o local sem paredes.” (Miguel Torga) "Escrever é um ato de liberdade." (Antônio Callado) "Embora nem todo filho da puta seja censor,todo censor é filho da puta." (Julio Saraiva)

domingo, 20 de dezembro de 2009

pertences

tenho uma ferida

dentro da barriga



é literal

e dói

no natal



tenho também

um vazio

no peito



levo-o comigo

sempre que me deito



tenho uma dor

a lembrar-me da vida



que interessa,amor?

se é dor antiga...



sei navegar

em águas profundas



mas não é meu o mar

nem o barco que afundas
_______________________
alexandra cruz mendes,
guimarães, portugal
______________________

2 comentários:

  1. um poema-maravilha. suspenso entre os versos e final afundado.

    parabéns

    ResponderExcluir
  2. olá,mário.por aqui?
    obrigada pela tua apreciação.

    ResponderExcluir

Compartilhe o Currupião