“O universal é o local sem paredes.” (Miguel Torga) "Escrever é um ato de liberdade." (Antônio Callado) "Embora nem todo filho da puta seja censor,todo censor é filho da puta." (Julio Saraiva)

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

FÁBRICA FECHADA

           
             
             barulhos quietos
              
               martelando sempre
    
               sempre na mesma tecla

               silêncio irritado

               
                HOMENS MORTOS TRABALHANDO


___________________
Júlio Saraiva,
São Paulo, Brasil
_______________               
 
              

                   
         


___________________
Júlio Saraiva,
São Paulo, Brasil
__________________

CONSTRUÇÃO

              amálgama

              alma alma
      
              alfagama

              alfama

              alfômega

_________________
Júlio Saraiva,
São Paulo, Brasil
_______________                 

domingo, 13 de fevereiro de 2011

EPÍLOGO

                                
                             a pá      o pó

                       enfim

                          só

________________
Júlio Saraiva,
São Paulo, Brasil
___________________

sábado, 12 de fevereiro de 2011

DECLARAÇÃO DE DESAMOR

"Se algum dia lhe perguntarem sobre coisas do coração,
você pode dizer: sim, tem um filho da puta que me ama."

- Wander Piroli -

esconjuro-te
&
juro
pelos mais sagrados nós das
minhas tripas
desamar-te para sempre
ainda que surpreenda
minha sombra
perdida
no meio da noite
atirando maçãs (*)
aos pés
da tua imunda
lembrança

(*) De acordo com o poeta José Paulo Paes, que foi exímio tradutor de poesia
grega, um homem atirar uma maçã aos pés da amada, na Grécia antiga, cor-
respondia a uma das significativas declarações de amor.

____________________
Júlio Saraiva,
São Paulo, Brasil
____________________

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

OUTRO SONETO DO CADERNO DE KARLA

video

 Ai, minha amada me perdoa
Pois embora ainda te doa
A tristeza que causei:
Eu te suplico, não destruas
Tantas coisas que são tuas
Por um mal que já paguei."

Da canção Apelo,
do poeta Vinícius de Moraes,
com melodia do violonista Baden Powell


quando te ponho na cama de bruço
depois de olhar teus olhos de princesa
e de vez espantar toda a tristeza
e ir-me toda a dor em teu soluço

sou menino de novo a cada orgasmo
amo-te tanto... perco a minha vida
nesta paixão tão cega e desmedida
e sem querer assim vejo-me pasmo

esqueço as tropelias do caminho
desta minha vida tão desregrada
porque vejo-te rosa nunca espinho

mulher amante mãe e namorada
e eu que era louco e tão sozinho
ponho-me a teus pés ó sempre amada

___________________________
Júlio Saraiva,
São Paulo, Brasil
____________________________
Voz de: eduardo roseira
Imagem de: Lenço de Namorado na região do Minho/Portugal (coleção de eduardo roseira)

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

"(parte-)Chão,"













(aqui.)








estaca.
(letrada)sempre-cravada
estaca.


da ata por mapa de ti em linha não-aceita
(palavra.)
à ponta dos casos que se perdem
à lua inteira. caída. e.
aqui..


ruas.
pertencidas, pois de curvas
às rodas tardias por um deslize rompido de contas
e
o
asfalto se torna..
quimera-margem de erro e forma
listagens de cenas(de antes)
cenas servis
à mente
(ao instante)
que trabalha no minuto que precede este fim

tempo. mero-prevenido por busca
por
alivio de ar em. fuga
à
consumida lareira(dos olhos, e) de dor
(treva-névoa,)
parte.
queda-rompida. em.
espaço
(tarde)


ou.palco,


em
algo. 
em
lado que re-parte
à mente
que te vê um pouco(e) mais
e


imagem, tua, última, e.
sendo
à letra morta (e)que te jaz.








(aqui.)


























________________________________________________________________________________________________


(Alex Moraes)

Compartilhe o Currupião